sábado, 1 de agosto de 2009

A VERDADEIRA HISTORIA DA FAMÍLIA OBAMA

Os partidários do PARTIDO REVOLUCIONÁRIO REBOLAR BAIANO estavam espalhados pelo mundo, banidos, exilados ou fugidos. Vários companheiros, quando viram a perseguição implacável da ditadura, juntaram os trocados e os poucos pertences e saíram pelo mundo. Vários paraísos perdidos, confins preservados pelo tempo foram “descobertos” por eles. No Brasil podemos citar Jeriquaquara, Lençóis Maranhenses e Canoa Quebrada. Em Canoa Quebrada, criam o símbolo da lua e a estrela , uma alusão à foice e ao martelo. Caetano Veloso, andando por Ipanema pela manhã, conhece uma militante que usava um anel com a lua e a estrela. Daí a música: “Menina do Anel de Lua e Estrela, raios de sol no céu da cidade...”.

Alguns tomaram o rumo da África, berço dos orixás, capoeira e origens. Em uma pequena aldeia perdida no tempo fundam uma comunidade. Plantam ervas e criam gatos que posteriormente eram utilizados em atabaques, timbaus e tamborins. Pregavam a paz, samba-de-roda, sexo tântrico e a revolução. Os nativos desta aldeia adotam os ensinamentos do REBOLAR. Novos ritmos e novos passos do balé REBOLAR no mundo .

As sementes trazidas do Brasil nasciam em vários cantos do negro continente . A mais apreciada era conhecida como Mangáa Rose. O estilo REBOLAR, influenciou e mudou a vida de muitas famílias nativas. Os OBAMA eram uma típica família que vivia da caça, da pesca e da colheita de cogumelos do deserto. O primeiro passo foi alfabetizar as pessoas da aldeia . Fulana Obama, a mãe, foi a primeira. Seu primeiro livro, na verdade foi a revista Seleções. Uma edição comemorativa e luxuosamente encadernada . Seu namorado fulano Obama e seu tio Sicrano Obama, influenciados pela filha e sobrinha que contava as historias que lia nas Seleções, entram clandestinamente em um navio que seguia para o Caribe. O navio carregado com um contrabando de marfim ainda levava cinco zebras para o circo Orlando Orfei que estava em Miami. Somente quatro zebras chegaram ao destino. Uma foi abatida e devorada pela dupla que passou vinte e cinco dias naquele porão. Quando foram descobertos e jogados no mar pelo capitão do navio uma tempestade os separa definitivamente. Fulano, o tio, consegue chegar a uma paradisíaca ilha. Era a Jamaica.

Lá passa sua vida, casa com uma nativa e tem cinco filhos. Bob, o mais velho, vira músico, traficante e cria o regaee. A mãe de Bob, quando fica sabendo que seu filho estava fumando aqueles morrões fumegantes, começa a chorar. O filho ao ver aquela cena cria o seu mais famoso sucesso, No woman no cry. Diz a lenda que o pai de Bob Obama Marley , quando foi encontrado semi-morto em uma praia, trazia somente alguma sementes de uma planta nativa da Bahia, levada para a África pelo REBOLAR.

O outro náufrago, após dias flutuando no mar com uma bola de basquete Wilson, acaba em outra ilha. Lá é encontrado e levado para um acampamento guerrilheiro , onde foi tratado por um médico barbudo e argentino. Estava na ilha de cuba. Dizem que depois de restabelecido, passou a ajudante de ordens do médico-barbudo-guerrilheiro-argentino. Sua função era enrolar os charutos especiais que o argentino fumava.

A vida no acampamento era tranqüila. Ensinava capoeira e samba duro aos guerrilheiros e cantava as revolucionárias canções de Caymi. A paz terminou com a chegada do comandante ao acampamento. Todos sabiam que Castro era duro e radical, mas, exigir que todos aprendessem russo era o fim da picada. Consegue construir uma jangada e resolve fugir no dia do discurso do comandante. O discurso durava de quatro a cinco horas e daria tempo suficiente. Assim fez, não antes de deixar um bilhete para o médico que o salvara. Transcrevo a integra “Hermano, HAY QUE ENDURECERCE, PERO OUVIR OUTRO DISCURSO, JAMAS”. Mãe-obama, grávida de um membro do REBOLAR, e um militante, entram para seita mórmon e conseguem assim embarcar para os Estados Unidos.

No aeroporto de Miami entram no banheiro e fazem uma “TEREZA” com as gravatas do uniforme mórmom e fogem para a área de carga. Finalmente em Miami encontram pai Obama que vendia relógios rolex falsos nas ruas da cidade. Um velho militante do REBOLAR, que vivia havia muitos anos na cidade vendendo coxinha, pastel e green card, dá abrigo ao trio. Os hermanos em Cuba vencem a revolução e tomam Havana. Com medo de estar muito perto da ilha e dos discursos, pai-obama resolve ir para o norte. Um amigo brasileiro que trazia do Brasil autenticas mulatas do Sargentelli, ia levar seu grupo até Washington. Assim, mãe e pai Obama pegam carona na van cheia de mulatas e sambistas. Uma overdose de cultura-rebolar.

Pai Obama aprende violão e as canções de Ary Barroso, Lupicínio e Valdick . Mãe Obama, com todo aquele samba, caipirinha e unzinhos (vários) na hi way, começa a passar mal e entra em trabalho de parto. Clandestinos, sem dinheiro e muito loucos o grupo resolve parar e estacionar nos fundo do estacionamento da McDonalds. Primeiro passam no drive thuru e pedem dois mc lanche feliz e um milkshake. A mulata mais velha, porém a mais gostosa, coloca mãe Obama no último banco da van. Pede aos berros para parar o tamborim e o timbau. Pega a mala, pega uma garrafa de pinga-da-boa que trazia para seu primo que trabalhava como engraxate em Washington. Esteriliza as mãos, toma um gole e joga duro. Pai Obama, do do lado de fora da van, queria acender uma vela e um morrão para fazer a dança do ventre livre. Os outros acham melhor não, pois já estavam dando muita bandeira.

Finalmente ouvem um choro de bebe e olham dentro da van. Mãe Obama, com a garrafa pela metade na mão vê seu guri, olha ai é o meu guri, born in the USA... A mulata, puta e parteira conta que conseguiu tirar a criança pelas orelhas (até hoje ele tem uma bela orelha de dumbo). O motorista pára sua discussão com o cara da cuíca. Brigavam, e o motorista repetia a todo momento meu nome: não é jonhny, meu nome não é jonhy.

Pois bem, jonhny, aliás, o motorista emocionado e chapado, pega o Batman e o robim que ganhou no mc lanche feliz e os dá de presente a Obaminha. Pai Obama, emocionado e chapado levanta seu filho nos braços e grita bem alto: ESTE CARA AINDA VAI SER O PRESIDENTE DOS ESTADOS UNIDOS. Mãe Obama, vendo o estado de piração do marido, pega o menino e pergunta se o marido tinha fumado outro daqueles cubanos. E assim pegam a estrada. Algumas milhas adiante dão carona a um cara meio louco, meio hippie com um violão. Tornam-se grandes amigos e Obaminha aprende sua primeira canção com o amigo Bob. Aliás, Bob Dylan...

2 comentários:

  1. DUCARÁI! TAVA DEMORANDO, NÉ?

    ResponderExcluir
  2. huahuahau...essa historia é muito louca!

    ResponderExcluir